Categorias
Cultura

Ladrão diz que obras hoje no Itaú Cultural foram roubadas e são da Biblioteca Nacional

Folha de São Paulo
Ivan Finotti

Laéssio Rodrigues de Oliveira, ladrão confesso de obras raras, afirma que oito gravuras da coleção Brasiliana do Itaú Cultural são as mesmas que ele furtou há 14 anos da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro.

Há cerca de 15 dias, a Folha recebeu de Laéssio, atualmente preso em Japeri, no estado do Rio, uma carta manuscrita, de 16 páginas, na qual detalha esse e outros furtos de centenas e centenas de obras, fotos e gravuras de diversas instituições brasileiras.

Das oito obras que Laéssio menciona, seis estão em exposição permanente no espaço Olavo Setubal, no quinto andar do prédio da instituição na av. Paulista, 149. A Brasiliana é uma coleção de documentos e obras de arte sobre a história do Brasil.

As obras roubadas pertencem ao álbum “Souvenirs de Pernambuco”, composto de 12 gravuras de autoria do alemão Emil Bauch, impressas na Europa em 1852.

Apesar de gravuras não serem obras únicas —e sim cópias de uma tiragem, como livros—, até 2004 havia apenas duas coleções completas dos “Souvenirs de Pernambuco” no Brasil: uma na Biblioteca Nacional e outra no Instituto Ricardo Brennand, em Recife.

Logo após o furto na Biblioteca Nacional, em 2004, Laéssio foi preso (por outro roubo, do Museu Nacional do Rio) e apareceu nos jornais estampado como o maior ladrão de obras raras do país. Funcionárias da biblioteca o reconheceram, foram checar o que ele pesquisou e notaram a falta de quatro obras de Bauch no álbum “Souvenirs”.

O álbum foi colocado em um cofre por 13 anos. Foi aberto no ano passado, quando uma nova vista detectou que outras quatro gravuras eram cópias, elevando assim o furto para oito.

A reportagem soube disso pela carta de Laéssio e confirmou a informação com a Biblioteca Nacional. As oito gravuras que faltam são idênticas às oito que o Itaú possui.

“Sei que o Itaú Cultural tem obras de Bauch”, diz a presidente da Biblioteca Nacional, Helena Severo. “Mas não nos compete fazer a afirmação de que são nossas. Isso compete à Polícia Federal, a quem passamos todas as informações. Uma perícia, que analisaria papel, desgaste, dobramento, marcas etc, poderia dar a certeza. Está entregue à Delemaph [órgão federal que investiga crimes contra o Patrimônio Histórico].”

Em sua nota de esclarecimento, o Itaú Cultural afirma não ter sido contatado “por qualquer instituição pública ou privada para questionar a origem de suas obras”. Isso apesar de a Polícia Federal ter essas informações desde o ano passado.

O delegado Márcio Manoel da Cunha, encarregado do caso, afirmou à reportagem que preferia não dar informações para não atrapalhar as investigações. A PF, em seguida, informou que “não comenta e não concede entrevistas sobre investigações em andamento”.

O diretor do Itaú Cultural, Eduardo Saron, disse que entrou em contato com a presidente da Biblioteca Nacional assim que terminou sua entrevista com a Folha, na semana passada. “Estamos absolutamente à disposição para levar as obras a eles para análise técnica. Sabemos que são múltiplos [obras impressas], mas não queremos oferecer nenhuma dificuldade de acesso à Biblioteca.”

O MEDIADOR

Na carta que enviou ao jornal, Laéssio Rodrigues de Oliveira afirma que vendeu as oito gravuras da Biblioteca Nacional a Ruy Souza e Silva, colecionador e ex-marido de Neca Setubal, filha de Olavo Setubal. Efetivamente, Souza e Silva arregimentou diversas obras para a coleção Brasiliana, inclusive na Europa, e as revendeu ao Itaú, que montava sua coleção.

Mas nega categoricamente ter comprado as obras roubadas. “Isso não ocorreu. Não comprei essas gravuras de Laéssio. As gravuras foram adquiridas em Londres na centenária loja Maggs Bros.”, respondeu ele à Folha (leia aqui entrevista completa).

O Itaú Cultural forneceu dois documentos de procedência. O primeiro deles é um recibo da compra de Ruy Souza e Silva na loja Maggs Bros em 9 de novembro de 2004.

Nele, lê-se a transação de um “album of engravings of Brazil” (álbum de gravuras do Brasil), sem especificar o autor ou o número dessas gravuras. O único detalhe que traz é que certifica que os bens têm mais do que cem anos.

O segundo documento é a venda de Souza e Silva para o Itaú em 17 de janeiro de 2005, ali, sim, especificando serem oito gravuras de Bauch feitas em Pernambuco.

Em 2007, devido a um inquérito ao qual Laéssio respondia na Justiça do Rio, Ruy Souza e Silva espontaneamente devolveu uma série de obras que havia adquirido.

“Pela boa-fé, ele não foi denunciado no inquérito”, disse o procurador Carlos Aguiar, do Ministério Público do Rio de Janeiro.


CRONOLOGIA DO CASO

2004 – Laéssio de Oliveira subtrai oito gravuras de Emil Bauch da Biblioteca Nacional, mas só o furto de quatro é notado

nov.2004 – Ruy Souza e Silva compra um álbum de gravuras brasileiras na Maggs Bros., em Londres

jan.2005 – Souza e Silva vende oito gravuras de Emil Bauch para o Itaú Cultural

2014 – O Itaú Cultural inaugura sua mostra permanente, exibindo seis das oito gravuras

2017 – A Biblioteca Nacional nota que outras quatro obras de Bauch haviam sido furtadas em 2004

2018 – Laéssio escreve à Folha


Trecho da carta do ladrão

Carta Laéssio

“Desta feita, uma das obras que eu consegui subtrair foi parte do conjunto das lâminas do raríssimo álbum litografado ‘Souvenirs de Pernambuco’, de autoria do alemão Emil Bauch, que foi editado na Alemanha em 1852

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *