Poder360
Paloma Rodrigues

O governo já sofre pressão para que não edite a medida provisória que alteraria a reforma trabalhista. “Se é para afrouxar, não tem que ter nenhuma MP”, disse na 3ª (19.set.2017) Eunício Oliveira (PMDB-CE), presidente do Senado, em jantar com empresários e jornalistas promovido pelo Poder360-ideias.

A MP precisará ser pautada e aprovada no Senado para ir à sanção. Isso dá à Eunício o poder de influir na tramitação. A oposição acusa Michel Temer de descumprir o acordo por ainda não ter editado o texto.

Segundo o líder do governo no Senado, Romero Jucá, a nova medida provisória será editada até novembro. É quando passam a valer as alterações na legislação trabalhista.

A MP faz parte de acordo costurado pelo governo durante a discussão da reforma, para acelerar sua tramitação. Em abril, ela foi aprovada pela Câmara dos Deputados e, em seguida foi para o Senado.

Alguns dos senadores não eram inteiramente favoráveis à proposta e queriam modificá-la. Isso obrigaria a matéria a voltar para a Câmara. Para evitar esse movimento, o Planalto se comprometeu com os senadores a editar uma medida provisória para modificar o texto aprovado.

Publicado por Enfrente

lançamos a Frente Nacional de Resistência e Ação Sindical Bancária (EnFrente), com o objetivo de resgatar os princípios de um sindicalismo democrático, classista, autônomo, de massas e de luta. Queremos radicalizar a democracia e buscar uma outra estrutura, que vai além de uma nova corrente política dentro da Contraf e da CUT, mas uma forma horizontal de construção de lutas, pautas, mobilizações e enfrentamentos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *