Categorias
Notícias

EnFrente transforma-se em nova tendência política

CARTA ABERTA
PROPOSTA DE RESOLUÇÃO POLÍTICA

EnFrente transforma-se em nova tendência política

“Efetivar os princípios classistas, restaurar a democracia interna no movimento sindical e reforçar a solidariedade da classe trabalhadora”

 

Os trabalhadores brasileiros enfrentam a mais grave conjuntura política e econômica desde a redemocratização do país. Tutelado por militares e conduzido na economia por um banqueiro ultraliberal, o governo de extrema-direita de Bolsonaro impõe uma agenda que aprofunda os ataques aos direitos da classe trabalhadora, ao movimento sindical e aos movimentos sociais e de defesa das minorias excluídas.

Subserviente à política imperialista de Trump e ao mercado financeiro, o governo Bolsonaro prepara-se para entregar as riquezas do país ao grande capital, impor a reforma da previdência e privatizar as empresas públicas.

O desafio é gigantesco. Mais do que nunca é preciso resistir e construir trincheiras que unifiquem todas as forças que lutam pela democracia, pelos direitos dos trabalhadores e dos excluídos, pela soberania nacional e pela construção de um país desenvolvido e solidário, com inclusão social.

A Frente Nacional de Resistência e Ação Sindical Bancária (EnFrente) reuniu dirigentes sindicais e militantes em seminário nacional realizado em dezembro de 2018 no Rio de Janeiro. E decidiu, diante desse cenário extremamente adverso imposto pela nova conjuntura, abrir nacionalmente o debate sobre a necessidade de ampliar sua organicidade e construir uma nova dinâmica operacional. E após debates envolvendo militantes e dirigentes nos Estados, comunica a todos essa deliberação, alterando as características de frente ampla que o EnFrente vinha mantendo, para se constituir numa nova tendência política.

Com presença em 17 Estados, o EnFrente reafirma os princípios de defender e praticar um sindicalismo de massa, classista, democrático, de luta pela base, autônomo e unitário, que que tem na diversidade e no respeito às diferenças e ao contraditório sua maior virtude. E que busque a construção da unidade pelo diálogo, praticando o consenso progressivo.

Foi com essa prática e defendendo esses princípios que o Enfrente nasceu, em 2015, ao combater a política de intolerância e exclusão de parte a direção da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).

E após a atuação por cerca de três anos no formato de uma frente ampla, apostamos no amadurecimento dessa organização, para um modelo onde possamos ter uma ação mais eficaz na conjuntura e no movimento sindical.

A próxima tarefa será a definição dos atos constitutivos, como a criação da sua estrutura política-organizativa e regimento interno. Dentre os objetivos dessa alteração está propiciar uma melhor dinâmica organizativa, buscar intervenção mais qualificada na conjuntura, com maior diálogo junto às demais forças e atores sindicais e sociais, aumentando o nível de representatividade junto aos bancários e bancárias, demais trabalhadores e trabalhadoras e sociedade em geral.

Para além de romper o centralismo e a burocracia e resgatar a democracia interna no movimento sindical, também são nossos propósitos trabalhar com uma estrutura horizontalizada e atuar em rede, procurando reunir indivíduos e movimentos sociais, de forma democrática, participativa e colaborativa, em torno de objetivos e temas comuns de interesse dos trabalhadores que vão além do mundo do trabalho.

Contamos em poder contribuir com os bancários e bancárias e demais trabalhadores e trabalhadoras para a construção de entidades verdadeiramente fortes, democráticas e representativas, em parceria permanente com os movimentos sociais sob uma perspectiva classista e de esquerda, fazendo com que a prática caminhe junto com o discurso. E, com isso, sermos capazes de não apenas resistir aos ataques aos direitos dos trabalhadores como as novas formas de trabalho precarizadas, a terceirização ampla, a pejotização, o trabalho autônomo, intermitentes.

Mas que também possamos ampliar nossos direitos e conquistas e, juntos, enfrentar todos os desafios que se apresentam para a categoria e toda classe trabalhadora, na busca incansável por uma sociedade justa e igualitária, uma sociedade verdadeiramente socialista.

Nossas cordiais saudações sindicais,

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *