Categorias
Notícias

Assassinato político de Marielle Franco reativa as ruas e desafia intervenção no Rio

El País
Felipe Betim

Costuma-se dizer que os brasileiros não sabem qual é a função de um vereador e muito menos em quem votou nas últimas eleições. Nesta quinta-feira, entretanto, as multidões que se reuniram no centro do Rio de Janeiro e de outras capitais sabiam que Marielle Franco — negra, nascida e criada no Complexo da Maré, mãe desde os 18 anos e ativista pelos direitos humanos — era representante do povo carioca. Foi eleita com mais de 46.000 votos em 2016 e foi a quinta parlamentar mais votada naquele ano, sua estreia nas urnas. O assassinato no dia anterior da vereadora do PSOL e de seu motorista, Anderson Pedro Gomes, provocou uma onda de luto e indignação coletivas nas ruas. No centro do Rio, eram milhares marchando pela avenida Rio Branco e se apertando na Cinelândia com o objetivo de não apenas homenagear Marielle como também dizer que queriam dar continuidade às suas bandeiras. Entre elas, exigir o fim da intervenção federal no Estado do Rio, o fim de uma guerra contra as drogas travada nas favelas e periferias e que vitimiza milhares de jovens e negros todos os anos, o fim do racismo e do machismo institucional.

A força das ruas tornou-se um inesperado desafio para o Governo de Michel Temer (MDB) e sua aposta em uma inédita intervenção federal como bandeira eleitoral e resposta para caos na segurança pública do Rio. O presidente colocou suas fichas em nomear como interventor federal o general Walter Souza Braga Netto, chefe do Comando Militar do Leste e, desde o último dia 16 de fevereiro, também chefe máximo da segurança pública fluminense, ainda que nem sequer haja um plano oficial para a ação. Agora, essa cadeia de comando — da Polícia Civil ao presidente — tem que responder por um dos mais emblemáticos crimes políticos da história recente brasileira. Não que o tipo de delito não aconteça no Estado do Rio ou em outras partes — a campanha municipal na Baixada Fluminense deixou um rastro de sangue —, mas a ousadia de executar uma promissora líder em pleno centro do Rio sinaliza que seus autores decidiram cruzar uma linha vermelha para enviar uma mensagem.

Sem Polícia Militar nos protestos

A comoção que inundou as redes sociais na noite de quarta-feira se transformou numa multidão que começou a se formar ainda na parte da manhã diante da Câmara de Vereadores, na Cinelândia, centro do Rio. Pessoas se abraçavam e choravam. Recordações, dor, luto e silêncio — uma atmosfera que se repetiria mais tarde na multidão que ocuparia a avenida Paulista, em São Paulo, outras das cidades que se mobilizaram. Pouco antes das 15h, os caixões com os corpos de Marielle e Anderson chegaram na Assembleia para um velório reservado apenas para familiares e amigos. Do lado de fora, a vigília continuava. Uma hora depois, os caixões foram levados para fora do recinto sob fortes aplausos e seguiram para o cemitério do Caju (ela) e Inhaúma (ele). “Justiça! Justiça! Justiça!”

A multidão começou então a se mover e a crescer. Um cortejo liderado por mulheres negras deixou a Cinelândia e caminhou pela Avenida Rio Branco cantando: “Por Marielle, eu digo não, eu digo não à intervenção!”. O ato entrou pela rua da Assembleia e finalmente alcançou a rua Primeiro de Março, onde fica a ALERJ. Era lá que estava marcado, para as 17h, a concentração para um ato contra o genocídio negro. “Marielle, presente! Marielle, presente! Anderson, presente! Anderson, presente! Hoje e sempre!”, repetiam os manifestantes. A Polícia Militar, que sempre se faz presente nas manifestações, fez-se notar pela sua completa ausência no ato do Rio. Ao longo de todo o dia, nenhum policial foi visto no centro da cidade. “Não acabou, tem que acabar, eu quero o fim da Polícia Militar”, cantavam constantemente os manifestantes.

Uma vez na Assembleia Legislativa, líderes partidários, políticos e sindicalistas foram se revezando no microfone. “Mataram mais uma de nós, mataram mais uma de nós, mataram mais uma de nós. Assim como matam nossos filhos”, disse, muito emocionada, a vereadora de Niterói Talíria Petrone, também do  PSOL. “Somos muitas Marielles vivas”, concluiu. Já Jandira Feghali, deputada federal do PCdoB, resumiu: “Marielle morreu porque sintetizava as três opressões que tem no país: a opressão de gênero, a opressão de classe e a opressão racial. (…) Este crime foi político. E crime político não se responde individualmente, se responde coletivamente”.

Um abatido Marcelo Freixo, deputado estadual pelo PSOL, com quem conviveu por mais de 10 anos, voltou do cemitério e recebeu um forte e demorado abraço Chico Buarque. Freixo dava aula de história em um cursinho pré-vestibular quando conheceu Marielle. Ao ser eleito deputado estadual pela primeira vez, em 2006, levou a ativista para trabalhar com ele. Foram 10 anos lado a lado naquele mesmo edifício da ALERJ, trabalhando na Comissão de Direitos Humanos da Casa. “Está muito difícil pra mim. Mas vou seguir. E vamos descobrir quem fez isso, nem que seja a última coisa que eu faça na minha vida”, disse Freixo. Chico também fez um breve discurso: “Eu só quero prestar minha homenagem à minha vereadora Marielle. Vamos iniciar a caminhada até a Cinelândia”. E assim a multidão voltou a se movimentar pela rua Primeira de Março para fazer o caminho de volta à Câmara dos Vereadores.

De volta a Cinelândia, a estudante de direito Mariane Oliveira, de 20 anos, conta da emoção em ter votado em Marielle. “Foi o meu primeiro voto. Eu sempre tive muita ansiedade em votar pela primeira vez. E quando eu a conheci, reconheci nela a pessoa que eu queria que me representasse. Eu fiquei muito feliz e sabia que tava fazendo a coisa certa”. E qual recado ela queria passar na manifestação? “Eu não tenho a voz para falar isso que não sou negra, mas eu acho que as pessoas começarem a respeitar e dar voz a mulher negra. Elas incomodou tanto não só porque ela tocou na ferida, mas por ser negra e vir da periferia”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *